Algumas indagações e breve exercício de Interpretação: Teoria e Literatura Brasileira Contemporânea

  • Adélcio de Souza Cruz
Palavras-chave: Literatura brasileira contemporânea, teoria, narrativa, poesia

Resumo

Este trabalho propõe levantar algumas questões a respeito da literatura brasileira contemporânea. Serão levadas em consideração as tensões sofridas pelo cânone literário para
incluir ou não as novas produções em narrativa ou poesia. Para tanto, utilizaremos os conceitos de “literatura menor”, “contraliteraturas”, “literatura marginal” e literatura ruidosa para
exemplificar o retorno e/ou permanência de discussões teóricas acerca do próprio conceito de literatura.

Referências

BARBOSA, Márcio. Traçado. In QUILOMBHOJE (org.). Cadernos Negros: os melhores poemas. São Paulo:
Quilombhoje, 1998. p. 99.
CRUZ, Adélcio de Sousa. Narrativas contemporâneas da violência: Fernando Bonassi, Paulo Lins e Ferréz.
Rio de Janeiro: 7Letras, 2012.
DALCASTAGNÈ, Regina. Pluralidade e escrita. In Literatura brasileira contemporânea: um território
contestado. Vinhedo: Editora Horizonte/Rio de Janeiro: Editora da UERJ, 2012. p.7-16.
DUARTE, Eduardo de Assis. Sertão, subúrbio: Guimarães Rosa e Paulo Lins. Literatura, política, identidades:
ensaios. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2005. p. 162-169.
HOLLANDA, Heloísa Buarque de. Introdução. In 26 poetas hoje: antologia. 6ed. Rio de Janeiro: Aeroplano,
2007. p. 9-14.
NETO, Torquato. Ver. In HOLLANDA, Heloísa Buarque de (org.). 26 poetas hoje: antologia. 6ed. Rio de
Janeiro: Aeroplano, 2007. p. 60.
PERRONE-MOISÉS, Leyla. Altas literaturas: escolha e valor na obra crítica de escritores modernos. São Paulo:
Companhia das Letras, 1988.
____ . A literatura exigente: os textos que não dão moleza ao leitor. In Folha de São Paulo – Ilustríssima, 25 de
março de 2012. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrissima/33216-a-literatura-
exigente.shtml
RIBEIRO, Esmeralda. Rotina. In QUILOMBHOJE (org.). Cadernos Negros: os melhores poemas. São Paulo:
Quilombhoje, 1998. p. 80.
RIVAS, Aitor. Fomos ficando sós, o mar, Manuel Antonio e nós – a óptica vangardista na literatura galega. In
MARTINS, Edson Ferreira; ROANI, Gerson Luis (orgs.). Memória da poesia – literatura e resistência. Viçosa:
Bartlebee, 2015. p. 141-170.
SUSSEKIND, Flora. Objetos verbais não identificados: experimentos literários de difícil classificação. In O
Globo – Cultura – Caderno Prosa. 21 de setembro de 2013. Disponível em:
http://oglobo.globo.com/blogs/prosa/posts/2013/09/21/objetos-verbais-nao-identificados-um-ensaio-de-flora-
sussekind-510390.asp
Publicado
2019-02-04