Atos autobiográficos

o suplemento da coleção

  • Anaise Avila Severo UFMT
  • Polyana Olini
Palavras-chave: constituição de si, autobiografia, coleção, suplemento

Resumo

O artigo busca, por meio de atos autobiográficos, movimentar procedimentos de referências, afetos, singularidades e deslocamentos de textos desse gênero. Considera que o espaço autobiográfico é uma construção entre autor e leitor, no qual a intencionalidade de leitura e de escrita forma o gênero sem a necessidade de firmação de referencialidade. Logo, a afirmação de que tal espaço possa ser social, é apresentada como uma imagem do autor constantemente inserida em um ato autobiográfico de si. Quando a escrita autobiográfica ficcionaliza o autor, tornando-lhe também experenciável aos seus leitores, o eu autobiográfico pode revelar-se na qualidade de emoção compartilhada com o seu leitor, de maneira que a relação prestar-se-á afetiva operando uma desestruturação da autobiografia tradicional. Essa movimentação constante e em permanente mudança é operada aqui como analise descentrada e fluída, transição tanto individual quanto conjunta da elipse e da espiral, que possibilita a leitura de uma autobiografia enquanto coleção a partir da desconstrução.

Biografia do Autor

Polyana Olini

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul PPGEdu/UFRGS. Docente no Centro Universitário de Várzea Grande - UNIVAG.

Referências

BARTHES, Roland. O Rumor da Língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
BLOM, Philipp. Ter e manter: uma história íntima de colecionadores e coleções. (Trad. Berilo Vargas). Rio de Janeiro: Record, 2003.
DERRIDA, Jacques. Margens da filosofia. (Trad. Joaquim Torres Costa e Antônio M. Magalhães). Campinas: Papirus, 1991.
_____. Carta a um amigo japonês. In: Tradução: a prática da diferença. (Org. Paulo Ottoni). Campinas: Editora UNICAMP, 1998, pp. 19-25).
_____. A farmácia de Platão. (Trad. Rogério da Costa). São Paulo: Iluminuras, 2005.
DUQUE-ESTRADA, Elizabeth Muylaert. Devires autobiográficos: a atualidade da escrita de si. Rio de Janeiro: NAU/ Editora PUC-Rio, 2009.
FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. (Trad. Salma Tannus Muchail). São Paulo: Martins Fontes, 2000.
_____. Ditos e Escritos: Estética — literatura e pintura, música e cinema. Volume III. (Trad. Vera Ribeiro). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001.
ISER, Wolfgang. O ato de leitura: uma teoria do efeito estético. Volume II. (Trad. Johannes Kretschemer). São Paulo: Editora 34, 1999.
LEJEUNE, Phillippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. (Trad. Jovita Noronha e Maria Ines Guedes). Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008
RORTY, Richard. Contingência, ironia e solidariedade. (Trad. Vera Ribeiro). São Paulo: Martins, 2007. (Coleção Dialética).
ROUSSEAU, Jean-Jacques. Les Confissions, Livre VII, Oeuvres complétes, I. Paris: Éditions Gallimard, 1959.
SOUZA, Aline Prúcoli. pustulâncias: menina bruta. Vitória: Cousa, 2017.
SOUZA, Eneida Maria de. A biografia, um bem de arquivo. ALEA, v. 10, n.1, pp. 121-129, jan.-jun./2008.
_____. Tempo de pós-crítica: ensaios. 2.ed. Belo Horizonte: Veredas & Cenários, 2012.
Publicado
2020-04-24