O não-lugar da biotecnologia e a pandemia da Covid-19 no Brasil

Autores

  • Flávia Novaes Moraes Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
  • Alberto Lopo Montalvão Neto Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
  • Wanderson Rodrigues Morais Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

DOI:

https://doi.org/10.47677/gluks.v21i01.219

Palavras-chave:

Análise de Discurso, Ensino de Ciências, Biotecnologia, Não-lugar

Resumo

Em meio ao contexto atual de uma pandemia, provocada por um novo tipo de coronavírus, um dos maiores desafios que assola pesquisadores e educadores é informar a população sobre questões científicas, como a produção de vacinas e os testes de detecção da doença (COVID-19), devido ao desconhecimento de questões biotecnológicas por grande parte das pessoas. Em contraposição, há uma série de notícias que circulam, nos mais variados meios de comunicação, sobre essas questões. Nesse sentido, o presente trabalho visa refletir sobre o lugar dos discursos biotecnológicos. Pautados nos pressupostos da Análise de Discurso de vertente francesa, mobilizamos noções como condições de produção, silêncio e formação discursiva para analisar algumas materializações da linguagem, principalmente de cunho jornalístico. Nossos resultados apontam para um não-lugar da Biotecnologia na sociedade, que resulta de uma ausência de materialidade histórica que não permite a estabilização de sentidos deste campo do conhecimento

Biografia do Autor

Flávia Novaes Moraes, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Doutoranda em Educação na Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP (Inicio 2018). Mestre em Biotecnologia pela Universidade de São Paulo -USP (2001). Possui graduação em Ciências Biológicas pela UNESP Rio Claro (1998). Possui também graduação em Pedagogia pela Universidade de Campinas - UNICAMP (2014).

Alberto Lopo Montalvão Neto, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Graduado em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar - Campus Sorocaba) e pela Universidade de Coimbra (Portugal). Mestre em Educação Científica e Tecnológica (PPGECT) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Atualmente é doutorando em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), sendo bolsista CNPq. É membro do Grupo de Estudo e Pesquisa em Ciência e Ensino (gepCE) e do Grupo de Pesquisa em Educação em Ciências e Biologia (GECIBIO).

Wanderson Rodrigues Morais, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Graduado em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP/ 2014), Campus de Ilha Solteira - SP, e Mestre em Educação para a Ciência (UNESP/ 2016), Campus de Bauru - SP. Atualmente é doutorando no Programa de Pós-Graduação Multiunidades em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP/ 2017), e participa do Grupo de Estudo e Pesquisa em Ciência e Ensino (gepCE). Tem experiência na área de Ensino de Ciências, com ênfase em Estudos da Linguagem e História e Filosofia da Ciência.

Referências

BINDE, J. L. Não-Lugares – Marc Augé. ANTROPOS - Revista de Antropologia, Brasília, v. 2, n.1, p. 121-124, mai. 2008.

BORZANI, W., SCHMIDELL, W.; LIMA, U. A.; AQUARONE, E. Biotecnologia Industrial. v. 1, São Paulo: Editora Edgard Blucher, 2001.

BRUGGEMANN, A. L. et. al. Folha de São Paulo: Um jornal a serviço (da Copa) do Brasil. In: PIRES, G. de L. O Brasil na Copa, a Copa no Brasil: registros de agendamento para 2014 na cobertura midiática da Copa da África do Sul. Florianópolis: Editora Tribo da Ilha, 2011, p. 67-115.

CHAN, J. Fuk-Woo. et. al. Improved Molecular Diagnosis of COVID-19 by the Novel, Highly Sensitive and Specific COVID-19-RdRp/Hel Real-Time Reverse Transcription-PCR Assay Validated In Vitro and with Clinical Specimens. Journal of Clinical Microbiology, Washington DC, v. 58, n. 5, mar. 2020.

CUNHA, C. R. ; MELO, M. C. O. L. A confiança nos relacionamentos interorganizacionais: O campo da biotecnologia em análise, RAE-eletrônica, v. 5, n. 2, 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S167656482006000200009&script=sci_arttext&tlng=ptAcesso em: 10 set. 2020.

FALEIRO, F. G. et. al. Biotecnologia: estado da arte e aplicacoes na agropecuaria. Distrito Federal: Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agrpecuária), 2011.

GIRALDI, P. M.; SOUZA, S. C. O funcionamento de analogias em textos didáticos de Biologia: questões de linguagem. Ciência & Ensino, Campinas, v. 1, n. 1, p. 9-17, 2006.

GREGOLIN, Maria do Rosário de Fátima Valencise. Análise do discurso e mídia: a (re)produção de identidades. Comunicação. Mídia e Consumo, São Paulo, v. 4, n. 11, p. 11-25, nov. 2007.

GOYA, P. R. L. Y. A temática biotecnológica na formação inicial de professores de biologia: o que dizem licenciados em fase de conclusão de curso. 2016. 184p. Dissertação (Mestrado em Educação para Ciência), Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru, 2016.

HAROCHE, C.; HENRY, P.; PÊCHEUX, M. [1971]. A semântica e o corte saussuriano: língua, linguagem, discurso. In: BARONAS, L. R. Análise do discurso: apontamentos para uma história da noção-conceito de formação discursiva. São Carlos: Pedro & João Editores, 2007, p. 13-32.

HAROCHE, C. Fazer dizer, querer dizer. São Paulo: Editora Hucitec, 1992.

LINHARES, S. V., GEWANDSZNAJDER, F., PACCA, H. Biologia Hoje. São Paulo: Editora Ática, 2016.

MACEDO SOUTO, X. COVID-19: aspectos gerais e implicações globais. Recital - Revista de Educação, Ciência e Tecnologia de Almenara, Minas Gerais, v. 2, n. 1, p. 12-36, jun. 2020.

MARCELINO, V. L., MARQUES, A. C. Abordagens educacionais das biotecnologias no ensino de ciências através de uma análise em periódicos da área. Investigações no ensino de ciências, v. 22, n. 1, p. 61-77, 2017.

MONTALVÃO NETO, A. L. Discursos de Genética em Livro Didático: Implicações para o Ensino de Biologia. 2016. 209 f. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Tecnológica), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.

OLIVEIRA, M. C. S. et al. Fundamentos teóricos-práticos e protocolos de extração e de amplificação de DNA por meio da técnica de Reação em Cadeia da Polimerase. Embrapa Pecuária Sudeste, São Carlos, 2007. Disponível em: <http://www.alice.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/48295/1/LivroProtMolecular.pdf>. Acesso em: 11 dez. 2020.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Editora Pontes, 2003.

ORLANDI, E. P. Discurso e Texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas: Editora Pontes, 2012.

ORLANDI, E. P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da Unicamp, 2014.

QUINTELLA, C. et. al. Vacinas para Coronavírus (COVID-19; SARSCOV-2): mapeamento preliminar de artigos, patentes, testes clínicos e mercado Coronavirus Vaccines (COVID-19; SARS-COV-2): Uma revisão preliminar de artigos, patentes, ensaios clínicos e mercado. Cadernos de Prospecção, Bahia, v. 13, n. 1, p. 3-12, mar. 2020.

SÁ, T. Lugares e não lugares em Marc Augé. Tempo Social – Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 209-229, 2014.

SANTOS, S. C. S; TERÁN, A. F; SILVA-FORSBERG, M. C. Analogias em livros didáticos de biologia no ensino de zoologia. Investigações em Ensino de Ciências, Belo Horizonte, v. 15, n. 3, p. 591-603, 2011.

Downloads

Publicado

2021-07-08

Como Citar

Novaes Moraes, F., Lopo Montalvão Neto, A., & Rodrigues Morais, W. . (2021). O não-lugar da biotecnologia e a pandemia da Covid-19 no Brasil. Gláuks - Revista De Letras E Artes, 21(01), 303-326. https://doi.org/10.47677/gluks.v21i01.219