Diário, memória e autoficção?

Os limites da escrita de si em Bolor, de Augusto Abelaira

  • Carlos Roberto dos Santos Menezes Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Augusto Abelaira, Bolor, Autoficção, Romance português, Serge Doubrovsky

Resumo

O presente artigo consiste numa análise a respeito da escrita de si e as possibilidades que o romance Bolor, de Augusto Abelaira. Além disso, buscaremos aproximar o romance da concepção de autoficção. Utilizaremos também uma aproximação do texto abelairiano com o romance Memórias do subsolo, de Dostoiévski para discutirmos os limites dos gêneros e suas aproximações com os conceitos desenvolvidos por Serge Doubrovsky numa análise que tentará amarrar os fios invisíveis da escrita diarística abelairiana sob a luz levantados pelas teorias e críticas desenvolvidas anteriormente.

 

Referências

ABELAIRA, Augusto. Bolor. Rio de Janeiro: Lacerda Editores, 1999.
DOUBROVSKY, Serge. O último eu. In: NORONHA, Jovita Maria Gerheim (org). Ensaios sobre a autoficção. Belo Horizonte: UFMG, 2014.
DOUSTOIÉVSKI, Fiódor. Memórias do subsolo. São Paulo: Editora 34, 2009.
DUQUE-ESTRADA, Elizabeth Muylaert. Devires autobiográficos a atualidade da escrita de si. Rio de Janeiro: PUCRio, 2009.
FIGUEIREDO, Eurídice. Autoficção feminina: a mulher nua diante do espelho. Revista Criação & Crítica. São Paulo, n. 4, p. 91 – 102, abril, 2010.
GASPARINI, Philippe. Autoficção e o nome de quê? In: NORONHA, Jovita Maria Gerheim (org). Ensaios sobre a autoficção. Belo Horizonte: UFMG, 2014.
LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico de Rousseau à internet. Belo Horizonte: UFMG, 2008.
______. Autoficção & Cia. Peça em cinco atos. In: NORONHA, Jovita Maria Gerheim (org). Ensaios sobre a autoficção. Belo Horizonte: UFMG, 2014.
Publicado
2019-02-19