Quando as pedras falam:

memórias e cicatrizes em deixem falar as pedras, de David Machado

  • Ágata Cristina da Silva Oliveira Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Gumercinda Gonda Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: David Machado, Trauma, Memória coletiva, Literatura portuguesa contemporânea

Resumo

Em Deixem falar as pedras, do escritor português da geração dos Novíssimos, David Machado, somos guiados pelo jovem narrador Valdemar pela sua história e pela história do seu avô. Através da escrita diarística, acompanhamos as narrativas do adolescente acerca das suas vivências do presente e da sua infância. Além disso, ele registra em seu caderno as memórias de seu avô das prisões e percalços enfrentados durante a ditadura salazarista. Pretendemos com este artigo analisar a escrita da memória e do trauma presente no romance tomando como arcabouço teórico os estudos de Beatriz Sarlo, Aleida Assmann, Leonor Arfuch, Philippe Lejeune, Pierre Bourdieu, Maurice Halbwachs e Jeanne Gagnebin.

Biografia do Autor

Gumercinda Gonda, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora de Literatura Portuguesa da Faculdade de Letras da UFRJ na Graduação e na Pós-Graduação lato sensu e strictu sensu.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que resta de Auschwitz: O arquivo e a testemunha (Homo Sacer III). Trad. Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2008.
ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Rio de Janeiro: Eduerj, 2010.
ASSMANN, Aleida. Espaços da recordação: formas e transformações da memória cultural. Trad. Paulo Soethe. Campinas: Editora Unicamp, 2011.
AUERBACH, Erich. “A cicatriz de Ulisses”. Mimesis. São Paulo: Editora Perspectiva, 1971.
BACHELARD, Gaston. A poética do devaneio. Trad. Antônio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 1996.
BOURDIEU, Pierre. “A ilusão biográfica”. In: AMADO, Janaína e FERREIRA, Marieta de Moraes. Usos e abusos da história oral. (8ª edição) Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006, p. 183-191.
GAGNEBIN, Jeanne. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006.
HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. São Paulo: Edições Vértice, 1990.
LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico. De Rousseau à internet. Trad. Jovita Maria Gerheim Noronha e Maria Inês Coimbra Guedes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.
MACHADO, David. Deixem falar as pedras. Rio de Janeiro: Leya, 2013.
MARINHO, Maria de Fátima. O romance histórico em Portugal. Porto: Campo das Letras, 1999.
NESTROVSKI, Arthur. “Vozes de crianças”. In: NESTROVSKI, Arthur e SELIGMANN-SILVA, Márcio. Catástrofe e Representação. São Paulo: Escuta, 2000.
ROSAS, Fernando. “Censura”. In: Dicionário de História do Estado Novo. Lisboa: Bertrand Editora, 1996.
SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras; Minas Gerais: UFMG: 2007.
Publicado
2019-02-18