A decadência do patriarcado em crônica da casa assassinada (1959), de Lúcio Cardoso

  • Kariny Ranelli Tavares Dutra Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Joelma Santana Siqueira Universidade Federal de Viçosa
Palavras-chave: Lúcio Cardoso, Crônica da casa Assassinada, Família patriarcal, Literatura e sociedade

Resumo

O presente ensaio analisa a obra Crônica da Casa Assassinada (1959), de Lúcio Cardoso, à luz dos estudos de Gilberto Freyre sobre a família patriarcal no Brasil, propondo que o tema da decadência do patriarcado tem efeito sobre a economia interna da obra, que dialoga com ideias de Freyre e de outros estudiosos da sociologia, sem que esta possa ser vista como espelho ou representação da sociedade.

Biografia do Autor

Kariny Ranelli Tavares Dutra, Universidade Federal de Juiz de Fora

Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Letras: Estudos Literários da Universidade Federal de Juiz de Fora (2019-). Licenciada em Letras - Português/Literatura pela Universidade Federal de Viçosa (2014-2018). Bolsista de Iniciação Científica da Fundação Arthur Bernardes com o projeto "Futebol, humor e discurso: por uma categorização do riso na mídia impressa" (2015-2016). Realizou pesquisa autônoma com um projeto intitulado "Compilação e preservação de línguas indígenas: o caso do Puri, língua como resistência e re-existência" (2016-2017). Bolsista de Iniciação Científica da FAPEMIG atuando no projeto "Identidade e pertencimento: um estudo de crônica da casa assassinada (1959), de Lúcio Cardoso" (2017-2018). Trabalho de Conclusão de Curso em Estudos Literários com o título "Decadência do patriarcado em Crônica da casa assassinada (1959), de Lúcio Cardoso". Membro do Grupo de Pesquisa Literatura e mídia do Departamento de Letras da UFV (2017-2018). Tem interesse especial nos estudos literários sobre literatura, história e memória dos povos originários e em suas relações com a historiografia literária brasileira.

Joelma Santana Siqueira, Universidade Federal de Viçosa

 Doutora em Literatura Brasileira (USP); Professora associada da Universidade Federal de Viçosa.

Referências

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 1994.
CARDOSO, Lúcio. [1959] Crônica da casa assassinada. São Paulo: Círculo do livro, 1979.
CARDOSO, Lúcio. Diários. (org.) Ésio Macedo Ribeiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.
CARDOSO, Lúcio. Lúcio Cardoso (patético): Ergo meu livro como um punhal contra Minas. Jornal do Brasil, Caderno B, Rio de Janeiro, 25 nov. 1960. Entrevista concedida a [Fausto Cunha]. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/030015_08/12458?pesq=punhal. Acesso em: 3 abr. 2019.
CORRÊA, Mariza. Repensando a família patriarcal brasileira. Cadernos de Pesquisa (Fundação Carlos Chagas), São Paulo, n 37, p. 5-12, 1981. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/1590. Acesso em: 9 abr. 2019.
FREYRE, Gilberto. [1933]. Casa grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 48. ed. São Paulo: Global, 2003.
FREYRE, Gilberto. [1936]. Sobrados e mucambos: decadência do patriarcado e desenvolvimento do urbano. 16. ed. São Paulo: Global, 2006.
GLASER, André Luiz. Materialismo Cultural. 2008. Tese (Doutorado em Letras) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciencias Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8147/tde-03082009-151710/pt-br.php. Acesso em: 4 abr. 2019.
LIMA, Marcos Hidemi de. Transgressão feminina em Crônica da casa assassinada: uma análise sobre Nina e Ana. Acta Scientiarum, Maringá, v. 38, n. 3, p. 281-290, 2016. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciLangCult/article/view/29971/pdf. Acesso em: 10 abr. 2019.
NASCIMENTO, Evandro. Crônica de um crime anunciado. In: NASCIMENTO, Evandro. Ângulos: literaturas & outras artes. Juiz de Fora: UFJF; Chapecó: Argos, 2002. p. 163-185.
SOUZA, Candice Vidal; BOTELHO, Tarcísio Rodrigues. Modelos nacionais e regionais de família no pensamento social brasileiro. Estudos feministas, Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 414-432, 2001. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2001000200006/8851. Acesso em: 10 abr. 2019.
Publicado
2020-02-12