Flutuações no ethos de Getúlio Vargas

análise comparativa das imagens projetadas para o estadista por sua filha e outros personagens históricos

  • Raquel Lima de Abreu-Aoki Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Biografia, Ethos, Getúlio Vargas, Alzira Vargas, Análise do Discurso.

Resumo

RESUMO

O objetivo desta pesquisa é analisar a biografia Getúlio Vargas, meu Pai, escrita por Alzira Vargas, filha do biografado, buscando, principalmente, verificar quais ethé são delineados para Getúlio Vargas, com o propósito de compreender, a partir deles, qual a imagem do estadista sua filha desejou cristalizar para a posteridade. Como arcabouço teórico, demos ênfase aos estudos acerca do ethos, buscando contribuições contemporâneas para essa categoria em Charaudeau. Destacamos que, como essa biografia é perpassada, também, pelo domínio histórico e político, foi necessário analisá-la interdiscursivamente, com elementos oriundos desses domínios. Na versão apresentada por Alzira os ethé projetados para o protagonista atribuem a ele inúmeras virtudes, registrando-se escassez de atos viciosos, estes sempre justificados pela autora. Portanto, nessa biografia, a imagem fixada para Getúlio Vargas foi altamente positiva, o que é questionável quando comparada com insumos produzidos em outras instâncias discursivas. Constatamos assim, que o ethos de Getúlio “flutua” consideravelmente, de acordo com os objetivos e intenção dos escritores.

Palavras-chave: Biografia, Ethos, Getúlio Vargas, Alzira Vargas, Análise do Discurso. 

 

Referências

ABREU-AOKI, Raquel Lima. Getúlio Vargas Encadernado: a construção narrativo-argumentativa da imagem do estadista em Getúlio Vargas, meu Pai. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2016. Tese de Doutorado.

ARENDT, Hannah. The Human Condition. Chicago: The University of Chicago Press, 2.ed. 1998.

BISCHOFF, Alvaro & SOUTO, Cíntia V. “Getúlio Vargas e o Ministério Público (1908-1909)”. Revista do Ministério Público do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, n. 53, 2004.

BOURDIEU, Pierre. “L´illusion biographique”. In: Actes de la recherche en sciences sociales. V. 62-63, 1986. Pp. 69-72.

BOURDIEU, Pierre. “A ilusão biográfica”. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes (Org.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 1996, p.183-191.

CAPELATO, Maria Helena Rolim. O Brasil Republicano. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, 2v.

CAPELATO, Maria Helena Rolim. Multidões em Cena: Propaganda Política no Varguismo e no Peronismo. São Paulo: Papirus, 1998.

CHARAUDEAU, Patrick. O Discurso político. Trad. Fabiana Komesu & Dilson Ferreira da Cruz. São Paulo: Contexto, 2008.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Trad.: Bernardo Leitão et al. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1994.

MARQUES DE JESUS, Maria Gorete. O crime de tortura e a Justiça Criminal: um estudo dos processos de tortura na cidade de São Paulo. 2009. 257f. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, São Paulo, 2009.

PENA, F. Teoria da Biografia sem fim. Rio de Janeiro: Mauad, 2004.

PEIXOTO, Alzira Vargas do Amaral. Getúlio Vargas, meu Pai. 2ª edição. Rio de Janeiro; Porto Alegre; São Paulo: Editora Globo, 1960. [1ª edição 1960].

RONDELLI, Elizabeth; HERSCHMANN, Micael. “A mídia e a construção do biográfico: o sensacionalismo da morte em cena”. Tempo Social Revista de Sociologia. USP, S. Paulo, 12(1): 201-218, maio de 2000.

SILVA, Hélio. Vargas: uma biografia política. Porto Alegre: LPM, 2004. (Coleção Pocket) — [1ª edição 1980].
Publicado
2020-04-24