Entre a gente e elas

uma análise discursiva dos dizeres de uma apenada

Autores

  • Vinícius Nobre da Rosa Universidade Federal de Pelotas
  • Luciana Iost Vinhas Universidade Federal de Pelotas

Palavras-chave:

Análise de Discurso, apenada, cidadão de bem

Resumo

Embasando-se na Análise de Discurso de tradição pêcheuxtiana, o presente trabalho tem como objetivo observar os dizeres de uma apenada e, através deles, analisar os efeitos causados pelas formações imaginárias e discursivas no emprego de pronomes pessoais. O trabalho se baseia em uma entrevista gravada e transcrita realizada com Rosa, a apenada entrevistada, e esse corpus nos permite criar um gesto de interpretação referente ao modo como, discursivamente, ela se coloca ora como membro externo à Penitenciária e ora como parte do coletivo de mulheres presas. Na teoria, vê-se o discurso como efeito de sentido entre interlocutores; portanto, ao usar de uma estrutura em que são retratadas as outras apendas como elas, a apenada cria uma distância entre si e o grupo no qual está inserida, apresentando-se como diferente das demais; entretanto, ao utilizar de uma construção com a expressão a gente, ela se aproxima das outras presas. Assim, conforme nossa interpretação, existe a reprodução de saberes de uma formação discursiva dominante, a partir da qual ela se reconhece como cidadã de bem.

Referências

BAALBAKI, Angela Corrêa Ferreira; D’OLIVO, Fernanda Moraes. A segurança que não é para todos: discursos sobre violência e segurança pública. Entremeios: revista de estudos do discurso, v. 13, jul.-dez, 2016, p. 249-262.
CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Direitos Humanos ou “privilégios de bandidos”? Desventuras da democratização brasileira. Novos Estudos, n. 30, julho de 1991.
CUNHA, Celso; CINTRA, Lindley. Nova gramática do Português Contemporâneo [recurso eletrônico]. 7.ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2017.
ERNST, Aracy Graça. A falta, o excesso e o estranhamento na constituição/interpretação do corpus discursivo. In: SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO, 4., 2009, Porto Alegre, RS. Anais... Porto Alegre: UFRGS, 2009. Disponível em <http://www.ufrgs.br/analisedodiscurso/anaisdosead/4SEAD/SIMPOSIOS/AracyErnstPereira.pdf> Acesso em 10 de maio de 2019.
MALDIDIER, Denise. A inquietação do discurso – (Re)ler Michel Pêcheux hoje. Tradução de Eni Orlandi. Campinas: Pontes, 2003.
MEDEIROS, Vanise. “Posso me identificar?”: mídia, violência e movimentos sociais. In: ZANDWAIS, Ana; ROMÃO, Lucília Maria Sousa. (Orgs.) Leituras do político. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2011.
ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discurso. In: ______; LAGAZZI-RODRIGUES, Suzy (Orgs.) Introdução às ciências da linguagem – Discurso e textualidade. Campinas: Pontes, 2006.
______. Espaço da violência: o sentido da delinquência. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 51, n.2, p. 219-234, jul. 2011. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8637213>. Acesso em 14 abril de 2019.
______. Por uma teoria discursiva da resistência do sujeito. In: ______. Discurso em análise: sujeito, sentido e ideologia. 2.ed. Campinas: Pontes, 2012, p. 213-234.
______. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. 12.ed. Campinas: Pontes, 2015.
PÊCHEUX, Michel. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni Orlandi et al. 4.ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 2009.

Downloads

Publicado

2020-04-24

Como Citar

da Rosa, V. N., & Vinhas, L. I. (2020). Entre a gente e elas: uma análise discursiva dos dizeres de uma apenada. Gláuks - Revista De Letras E Artes, 19(1), 140-157. Recuperado de https://revistaglauks.ufv.br/Glauks/article/view/115