Minha casa não é minha e nem é meu esse lugar

memórias dos idosos ao relento de abrigos de luxo

Autores

  • Sandra Maia-Vasconcelos Universidade Federal do Ceará
  • Débora Maria da Costa Oliveira Universidade Federal do Ceará

Palavras-chave:

Memória, Abordagem dialógica-narrativa, Écrouissage, Idosos, Roland Barthes

Resumo

Os idosos nos últimos anos ganharam espaço nas atividades sociais e na pesquisa acadêmica, pois sua perspectiva de vida foi aumentando ao longo dos anos, seja pela Medicina ou pelas condições de preservação da saúde ao longo da vida.  Mas os idosos ainda enfrentam o problema da solidão da velhice, em grande parte das famílias em todo o mundo. Embora este artigo não se pretenda ser estatístico, arriscamos colocar aqui em primeiro plano as histórias de pessoas idosas de mais de 70 anos de idade, que são colocadas por suas famílias em casas específicas para idosos, sobre como eles vivenciam essa transição de sua casa para essa casa coletiva, levando em conta as diferenças de entendimento que têm sobre as variáveis família, domicílio, propriedade, objetos, pertencimento e perda. Estabelecemos um estudo comparativo entre duas casas de acolhimento para as pessoas idosas: uma na França e uma segunda no Brasil, ambas instituições mistas – público-privadas. Para a análise das histórias coletadas para esta pesquisa, utilizamos as perspectivas de Roland Barthes e Genette de narratologia, discutindo os conceitos de resiliência de Cyrulnik e de écrouissage (encruamento) de Maia-Vasconcelos. A metodologia de abordagem dos sujeitos foi a abordagem dialógico-narrativa entre Lani-Bayle e Maia-Vasconcelos.

Biografia do Autor

Débora Maria da Costa Oliveira, Universidade Federal do Ceará

Universidade Federal do Ceará. Graduanda do curso de Letras – Português/Francês e bolsista FUNCAP pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica. deboraholanda@alu.ufc.br

Referências

BARTHES, R.(1980) A Ca?mara clara: nota sobre a fotografia. Trad. Ju?lio Castan?on Guimara?es. 7a edic?a?o. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2018.
BION, W.R., Uma Memória do Futuro, livro III: a aurora do esquecimento. Rio de Janeiro: Imago, 1996.
CYRULNIK, Boris et al. La Re?silience: le re?alisme de l’espe?rance. Ramonville Saint-Agne : Ere?s, 2001.
FREITAS, Maria Leidiane Tavares. Constituição de Autoria Em Narrativas De Viajantes: Entre O Sujeito E a Designação. 2010. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Ceará.
LANI-BAYLE, Martine. L’enfant et de son histoire: vers une clinique narrative. Ramonville Saint-Agne : Ere?s, 1999.
MAIA-VASCONCELOS, S. Penser l’e?cole et la construction des savoirs: une e?tude mene?e aupre?s d’adolescents cance?reux. 2003. 500f. Tese (Doutorado em Sciences de l’E?ducation) – Universite? de Nantes, Nantes, 2003.
MAIA-VASCONCELOS, S. ContAção: a arte que conta a vida que conta a história. Fortaleza: EDUECE, 2016.
SIMO?ES, Fabi?ola. Felicidade distrai?da. Sa?o Paulo: Novo Se?culo, 2017.

Downloads

Publicado

2020-04-24

Como Citar

Maia-Vasconcelos, S., & Oliveira, D. M. da C. (2020). Minha casa não é minha e nem é meu esse lugar: memórias dos idosos ao relento de abrigos de luxo. Gláuks - Revista De Letras E Artes, 19(1), 101-120. Recuperado de https://revistaglauks.ufv.br/Glauks/article/view/143