Nós e os Outros: Autonomia e Recepção na Autotradução de João Ubaldo Ribeiro

Autores

  • Sarah Lucena Georgetown University

DOI:

https://doi.org/10.47677/gluks.v20i2.178

Palavras-chave:

Tradução literária, Autotradução, Recepção, Estratégias tradutórias, João Ubaldo Ribeiro

Resumo

No campo dos Estudos de Tradução, o fenômeno da autotradução – termo que caracteriza traduções realizadas pelo próprio autor do texto original – é um tema ainda pouco explorado em comparação com as pesquisas em tradução, necessitando ser visitado pela crítica uma vez que o sistema literário brasileiro conta com um caso exemplar. Assim, na primeira parte deste artigo discutiremos as estratégias autotradutórias em Viva o Povo Brasileiro, vertido do português para o inglês pelo seu autor, João Ubaldo Ribeiro, sob o novo título de An Invincible Memory. Em seguida, analisaremos como a crítica anglófona recebeu o projeto de Ribeiro em comparação com seu romance original para refletir sobre as condições de existência da literatura brasileira no exterior, cuja autonomia se vê limitada quando traduzida para um contexto mercadológico hegemônico como o de língua inglesa.

Referências

ANTUNES, M. A. G. O respeito pelo original: João Ubaldo Ribeiro e a autotradução. São Paulo: Annablume, 2009a.
____________. Marcas no texto autotraduzido: o caso de João Ubaldo Ribeiro. Ipotesi. Juiz de Fora, v. 13, n. 1, p. 57-65, 2009b. Disponível em: <http://www.ufjf.br/revistaipotesi/>. Acesso em: 19 maio 2020.
____________. Autotradução: o caso do escritor brasileiro João Ubaldo Ribeiro e a versão de Sargento Getúlio / Sergeant Getúlio. Trama. Cascavel, v. 5, n. 9, p. 61-72, 2009c. Disponível em: <www.abralic.org.br>. Acesso em: 19 maio 2020.
BARBOSA, H. G. The virtual image: Brazilian literature in English translation. 1994. 463p. Tese – Universidade de Warwick, Inglaterra.
BARBOSA, H. G.; WYLER, L. “Brazilian tradition.” In: BAKER, M.; SALDANHA, G. Routlegde Encyclopedia of Translation Studies. Londres, Nova York: Routlegde, 2008.
BHABHA, H. O local da cultura. Trad. de Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis e Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998.
CUNHA, E. L. Viva o povo brasileiro: história e imaginário. Portuguese Cultural Studies, v. 1, 2007. Disponível em: < https://scholarworks.umass.edu/p/vol1/iss1/3/>. Acesso em: 19 maio 2020.
FANTINATTI, T. A recepção do sertão brasileiro pela cultura italiana: traduções das obras rosiana e euclidiana. In: GUERINI, A.; TORRES, M.-H.; COSTA, W. C. (orgs.) Literatura traduzida e literatura nacional. Rio de Janeiro: 7Letras, 2008.
GOLDEMBERG, D. Valentia. São Paulo: Grua, 2012.
JACQUEMOND, R. Translation and cultural hegemony: the case of French-Arabic translation. In: VENUTI, L. (ed.) Rethinking translation: discourse, subjectivity, ideology. Londres: Routledge, 1992.
LEFEVERE, A. Tradução, reescrita e manipulação da fama literária. Bauru, SP: Edusc, 2007.
LÓPEZ LÓPEZ-GAY, P. O Banqueiro Anarquista, de Fernando Pessoa – Reflexões sobre a autotradução. Lisboa: Instituto Camões, 2006.
LOWE, E. Jorge Amado and the internationalization of Brazilian literature. Cadernos de Tradução. Florianópolis, n. 2, p. 119-140, 2013. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/traducao/article/view/27683>. Acesso em: 19 maio 2020.
LUCENA, S. C. Entre o eu e o outro: a ficcionalização da história na autotradução de Viva o Povo Brasileiro. 2013. 118p. Dissertação – Universidade Federal de Pernambuco, Recife.
____________. Identidade/Identidades brasileira: novo romance histórico e a escrita da resistência em Valentia, de Deborah Goldemberg. Spanish and Portuguese Review v. 4, p. 61-72, 2018. Disponível em: <https://spanportreview.files.wordpress.com/2019/01/7-lucena-1.pdf>. Acesso em: 19 maio 2020.
MELO, C. V. de. Mapping Brazilian literature translated into English. Modern Languages Open. 2017. Disponível em: <https://www.modernlanguagesopen.org/articles/10.3828/mlo.v0i0.124/>. Acesso em: 19 maio 2020.
MORRIS, M. An Invincible Memory By Joao Ubaldo Ribeiro. The New York Times, Nova York, 16 abr. 1989.
OLIVIERI-GODET, R. Construções identitárias na obra de João Ubaldo Ribeiro. São Paulo: Hucitec; Feira de Santana, BA: UEFS; Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2009.
____________. A Translation of An Excerpt from "Viva o Povo Brasileiro" by João Ubaldo Ribeiro. Portuguese Studies v. 3, p. 186-192, 1987. Disponível em: <https://www.jstor.org/stable/i40048493>. Acesso em: 19 maio 2020.
PARKER, J. An Invincible Memory by João Ubaldo Ribeiro. Portuguese Studies v. 6, p. 221-224, 1990. Disponível em: < https://www.jstor.org/stable/41104921?seq=1>. Acesso em: 19 maio 2020.
PEREIRA, B. F. Tradução, alteridade e relações de poder em “An Invincible Memory”, de João Ubaldo Ribeiro. 2016. 217p. Dissertação – Universidade Federal da Bahia, Salvador.
RIBEIRO, J. U. Viva o povo brasileiro. 5. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.
____________. An invincible memory. New York: Harper & Row, 1989.
____________. Suffering in translation. The Times Literary Supplement. London, 17 nov. 1989, p. 1268, issue 4529.
TORRES, M.-H. Tradução da cultura: literatura brasileira traduzida em francês. In: GUERINI, A.; TORRES, M.-H.; COSTA, W. C. (orgs.) Literatura traduzida e literatura nacional. Rio de Janeiro: 7Letras, 2008.
TREECE, D. Sinister populism. Third World Quaterly. v. 12, N. 2. 1990. p. 145-7. Disponível em: < http://www.jstor.org/stable/3992265>. Acesso em: 19 maio 2020.
VENUTI, L. A tradução e a formação de identidades culturais. In: SIGNORINI, I. (org.) Língua(gem) e identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2006.
WERNER, C. O fluxo de traduções do Brasil para o exterior. II Seminário brasileiro livro e história editorial. p. 1-15, 2009. Disponível em: <http://www.livroehistoriaeditorial.pro.br/ii_pdf/camila_werner.pdf>. Acesso em: 19 maio 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

Lucena, S. (2020). Nós e os Outros: Autonomia e Recepção na Autotradução de João Ubaldo Ribeiro. Gláuks - Revista De Letras E Artes, 20(2), 124-144. https://doi.org/10.47677/gluks.v20i2.178