A disciplina de Libras como espaço de reflexões críticas e decoloniais na formação de professores

Autores

  • Ana Luisa Borba Gediel Universidade Federal de Viçosa
  • Carolina Macedo Lopes
  • Victor Luiz Alves Mourão

DOI:

https://doi.org/10.47677/gluks.v20i1.185

Palavras-chave:

Disciplina de Libras, formação de professores, decolonialidade, políticas linguísticas, ensino de línguas

Resumo

Este trabalho tem como objetivo refletir sobre as implicações da disciplina de Libras na Formação de Professores, a partir das percepções de licenciandos de diferentes áreas do conhecimento. Em uma análise construída no campo da Linguística Aplicada e permeada pela discussão que envolve as políticas linguísticas e as noções de decolonialidade, discutimos a complexidade do desenvolvimento de uma disciplina a partir de múltiplas perspectivas. São pontuados os aspectos de padronização, reconhecimento, status linguístico e a igualdade de direitos dos grupos minoritários em usar sua primeira língua. A partir desse panorama, descrevemos a metodologia que proporcionou a realização da pesquisa. Em seguida discutimos o papel da disciplina de Libras para a construção de conhecimentos críticos tendo em vista sua organização em termos de conteúdos e objetivos, os quais envolvem a apreensão da Libras como primeira e como segunda língua, a interpretação de aspectos referentes à formação de professores voltada para a diversidade e inclusão e a relação do ensino da língua aliado a práticas pedagógicas. Para finalizar, concluímos que a disciplina tem um papel crítico reflexivo na formação dos futuros professores, envolvendo a construção de um olhar frente à língua e seu uso social.

 

Referências

ALEXANDER, J. O Novo Movimento Teórico. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 2, n. 4, p. 5-28, 1987.

ALBRES, N. A. História da língua de sinais em Campo Grande – MS. Petrópolis: ARARA AZUL, 2005. <https://www.porsinal.pt/index.php?ps=artigos&idt=artc&cat=7&idart=60>. Acesso em: 22 mar. 2020.

BARCELOS, A. M. F. Crenças sobre aprendizagem de línguas, Lingüística Aplicada e ensino de línguas. Revista Linguagem & Ensino, v. 7, n. 1, p. 123-156, 2004. Disponível:<em:http://www.leffa.pro.br/tela4/Textos/Textos/Revista/edicoes/v7n1/G_Ana_Maria_Barcelos2.pdf>.Acesso em 20 abr. 2020.

________. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, 225, DF, v. 134, n. 248, 23 dez. 1996. Seção I, p. 27834-27841. Disponível em: <https://www.jusbrasil.com.br/busca?q=Art.+62+da+Lei+de+Diretrizes+e+Bases+-+Lei+9394%2F96>. Acesso em: 20 abr. 2020.

________. Lei 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a regulamentação da LIBRAS. Disponível em: <http://www.libras.org.br/leilibras.php>. Acesso em: 29 abr. 2020.

________. Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm> Acesso em: 29 abr. 2020.

BRITO, L. F. Por uma gramática de língua de sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro/UFRJ, 1995.

CAMPOS, S. R. O Papel da Língua de Sinais na Constituição do Surdo como Estudante. In: Giroto, C. R. M.; Martins, S. E. O. & Berberian, A. P. (Org.).Surdez e Educação Inclusiva.Marília.37-54.2012. Disponível em: <https://www.marilia.unesp.br/Home/Publicacoes/af-v7_obraindividual_giroto_martins_berberian_2012-pcg.pdf>. Acesso em 20 abr. 2020.

DAMÁZIO, M. F. M. O Atendimento Educacional Especializado para a pessoa com surdez. SEESP / SEED / MEC Brasília/DF – 2007. <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/aee_da.pdf>. Acesso em: 15 abr. 2020.

DE AQUINO, S. R. A implantação da LIBRAS nas licenciaturas: desmistificando conceitos. Revista Educação, Artes e Inclusão, v. 13, n. 3, p. 073-098, 2017. Disponível em: <http://www.revistas.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/9245>. Acesso em 15.abr. 2020.

DIZEU, L.C. T. B; CAPORALI, S.A. A língua de sinais constituindo o surdo como sujeito. Educação & Sociedade, v. 26, n. 91, p. 583-597, 2005. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/es/v26n91/a14v2691.pdf> Acesso em 15.abr. 2020.

DURANTI, A. The scope of Linguistic Anthropology. In: Linguistic Anthropology. New York, NY: Cambridge University Press, 1997.

FONTE, Z. M. L. F. A educação de surdos e a prática pedagógica dos professores ouvintes: análise a partir do Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos. 2005. Tese de Doutorado. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco. Recife.

GESSER, A. Libras? que língua é essa?: crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. Parábola Ed., 2009.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. Editora Atlas SA, 2008. Disponível em: <https://ayanrafael.files.wordpress.com/2011/08/gil-a-c-mc3a9todos-e-tc3a9cnicas-de-pesquisa-social.pdf>. Acesso em 10 abr. 2020.

GÓES, M.C.R. Linguagem, surdez e educação. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 1999.

KOZLOWSKI, Lorena. O modelo bilíngue/bicultural na educação do surdo. Distúrbios da Comunicação, v. 7, n. 2, 1995.

LAPLANTINE, F. Aprender Antropologia. São Paulo: Ed. Brasiliense, 2003.

LEMOS, A. M; CHAVES, E. P. A disciplina de Libras no ensino superior: da proposição à prática de ensino como segunda língua. XVI ENDIPE-Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino–Campinas: UNICAMP, 2012. Disponível em: <http://livrozilla.com/doc/1438363/a-disciplina-de-libras-no-ensino-superior--da>.Acesso em 13 mar. 2020.

MASTRELLA. A. M. R. Abandonamos a sala da universidade: uma opção decolonial no estágio de inglês e na formação docente crítica. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, n. AHEAD, 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-63982019005009104&lng=en&nrm=iso&tlng=en>. Acesso em 15 abr.2020.

MARTINS, V. R. O. Análise das vantagens e desvantagens da Libras como disciplina curricular no ensino superior. Cadernos do CEOM- Ano 21, n. 28 - Memória, História e Educação -Chapecó: Argos, 2008. Disponível: <http://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/rcc/article/view/161>. Acesso em 15 abr. 2020.

MEGALE, A. H. Educação bilíngue de línguas de prestígio no Brasil: uma análise dos documentos oficiais. The ESPecialist, v. 39, n. 2, 2018. Disponível em: ,https://revistas.pucsp.br/esp/article/view/38653>. Acesso em 15 abr. 2020.

MIGNOLO, W. Educación y decolonialidad: aprender a desaprender para poder reaprender. [Entrevista cedida a] Facundo Giuliano e Daniel Berisso. Revista del IICE, Buenos Aires, n. 35, p. 61-71, 2014. Disponível em: <http://revistascientificas.filo.uba.ar/index.php/iice/article/view/1961/1807>. Acesso em 30 mar. 2020.

MIGNOLO, W. D. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 32, n. 94, 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v32n94/0102-6909-rbcsoc-3294022017.pdf>. Acesso em 30 mar. 2020.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 5. ed. São Paulo: Hucitec-Abrasco, 1998.

MINAYO, M. C. S. et al. Pesquisa social: teoria, metodologia e criatividade. Petrópolis (RJ): Vozes, 2012.

NORA, A. B. Um histórico das políticas linguísticas para surdos sinalizantes: da lei de libras ao movimento em prol da escola bilíngue.V.6, Edição número 25, Abril/Setembro. 2017, p.1-19.Disponível em: <http://www.interletras.com.br/ed_anteriores/n25/conteudo/artigos/24.pdf> Acesso 25 mar. 2020.

PADDEN, C; HUMPHRIES, T. 2006. Inside Deaf Culture. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press.

PARDO, F. S. Decolonialidade e ensino de línguas: perspectivas e desafios para a construção do conhecimento corporificado. Revista Letras Raras. Campina Grande, v. 8, n. 3, p. Port. 200-221 / Eng. 198-218, set. 2019. ISSN 2317-2347. Disponível em: <http://revistas.ufcg.edu.br/ch/index.php/RLR/article/view/1422>. Acesso em 04. abr .2020.

SCHUBERT, S. E. M; PEREIRA, M. F. R. Limites e possibilidades de formação de professores para a educação bilíngue de surdos: superação do colonialismo. In: Avaliação, políticas e expansão da educação brasileira.Ponta Grossa. 2019. Atena Editora,v.12.p. 388–416. Disponível em: <https://www.atenaeditora.com.br/post-artigo/24639>. Acesso em 05.abr. 2020.

SOUSA, S. C. T ; AFONSO, L. A. Políticas linguísticas sobre a Libras: as crenças dos estudantes de letras. 2016. Disponível em: <https://pdfs.semanticscholar.org/f553/f359e72c41b8a0d318262ed2954a48959263.pdf>.Acesso em 09 abr.2020.

VIEIRA, C. R; MOLINA, K. S. M. Prática pedagógica na educação de surdos: o entrelaçamento das abordagens no contexto escolar. Educação e Pesquisa, v. 44, 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-97022018000100503&script=sci_arttext>. Acesso em 30 mar. 2020.

QUADROS, R. M.; PATERNO, U. Políticas linguísticas: o impacto do decreto 5626 para os surdos brasileiros. Espaço (INES), v. 1, p. 19-25, 2006. Disponível em: <https://cultura-sorda.org/wp-content/uploads/2015/03/INES_Revista_Espaco_2006.pdf> Acesso em 28 abr. 2020.

QUADROS, R. M; KARNOPP, L. B. Língua brasileira de sinais: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

RAJAGOPALAN, K. Política linguística: do que é que se trata, afinal. Política e Políticas Linguísticas. Campinas: Pontes Editores, 2013.

SEVERO, C. G. Política (s) linguística (s) e questões de poder. Alfa: Revista de Linguística (São José do Rio Preto), v. 57, n. 2, p. 451-473, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/alfa/v57n2/06.pdf>. Acesso 28 abr. 2020.

SILVA, C. M; SILVA D. S; MONTEIRO, R.; SILVA, D. N. H. Inclusão Escolar: Concepções dos Profissionais da Escola sobre o Surdo e a Surdez. Psicologia: Ciência e Profissão Jul/Set. 2018 v. 38 n°3, 465-479. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pcp/v38n3/1982-3703-pcp-38-3-0465.pdf>. Acesso 28 abr. 2020.

SOUSA, S.C. T; SOARES, M. E. Um estudo sobre as políticas linguísticas no Brasil. 2014. Disponível em: <http://www.periodicos.ufc.br/revletras/article/view/1496>. Acesso 28 abr. 2020.

XAVIER, A. N. De que forma a disciplina “libras” pode contribuir com a formação de professores para a educação inclusiva?. Revista Sinalizar, v. 3, n. 2, p. 3-24, 2018.Disponível em: <https://www.revistas.ufg.br/revsinal/article/view/55188>. Acesso 09 abr. 2020.

Downloads

Publicado

2020-11-26

Como Citar

Gediel, A. L. B., Macedo Lopes, C., & Alves Mourão, V. L. (2020). A disciplina de Libras como espaço de reflexões críticas e decoloniais na formação de professores. Gláuks - Revista De Letras E Artes, 20(1), 172-197. https://doi.org/10.47677/gluks.v20i1.185