A representação do idoso em tempos de pandemia

Bolsonaro e o enfrentamento neoliberal da Covid-19 no Brasil

Autores

  • Flávia Motta de Paula Galvão Universidade Federal de Uberlândia
  • Glariston Resende
  • Fernanda Motta de Paula Resende UNESP-São José do Rio Preto

DOI:

https://doi.org/10.47677/gluks.v21i01.229

Palavras-chave:

Representação, Idoso, Discurso, Neoliberalismo, Necropolítica

Resumo

Em plena crise política-ideológica, econômica e social acirrada desde o golpe parlamentar sofrido pela ex-presidenta Dilma Rousseff, o Brasil se vê diante da gravíssima crise sanitária, causada pelo COVID-19, com inúmeras mortes humanas, esgotamento do serviço público de saúde, isolamento social, precarização das condições de trabalho, adoecimento mental, abandono de crianças e idosos em situação de vulnerabilidade. Neste quadro, um segmento ganhou a centralidade no discurso do presidente Jair Messias Bolsonaro, os idosos brasileiros. A inquietação a respeito do idoso e da velhice, em tempos de pandemia no Brasil, foi motivada pelas falas preconceituosas e excludentes em relação ao idoso por parte de Bolsonaro. Na representação por ele construída, em pleno enfrentamento da Covid-19, sob os auspícios da consolidação de um estado neoliberal, há a naturalização da necropolítica neoliberal, colocando o combate à pandemia a cargo dos próprios indivíduos, esperando destes estoica resiliência, verdadeiro ato patriótico, em que o cidadão tem o dever de proteger a economia com a própria vida. O idoso, aqui, é visto como uma parcela improdutiva social, que, por ser redundante, deve ficar marginalizada, torcendo para os atuares estoicos dos mais jovens, cuja morte se trata de simples preço pela liberdade oferecida aos indivíduos pelo governo neoliberal.

Referências

BARROS, M.M.L. Velhice ou terceira idade? 2a ed. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2000.

BEAUVOIR, S. A velhice: realidade incômoda. DIFEL, São Paulo, 1976.

BEAUVOIR, S. A Velhice. São Paulo: Editora Difusão Europeia, 1990.

BEZERRA, A. K. G. A construção e reconstrução da imagem do idoso pela mídia televisiva. Universidade Federal da Paraíba, Campina Grande, 2006.

BEZERRA, B. B. A terceira-idade é o público-alvo. Monografia em Comunicação Social. Universidade Católica de Pernambuco, Recife, 2006.

BOBBIO, N. Direita e esquerda: razões e significados de uma distinção política. 2. ed. São Paulo: Editora UNESP, 2001.

BOSI, E. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

COELHO, K. K. S. F. A representação e o real em Michel Foucault. RevLet – Revista Virtual de Letras, v. 03, n° 01, jan./jul., 2011.

COURI, S. Liberalismo e societalismo. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.

DEBERT, G.G. Pressupostos da reflexão antropológica sobre a velhice. In: DEBERT, G.G. (Org.). Antropologia e velhice. Campinas: IFCH/UNICAMP, 1998, p. 7-27. (Textos Didáticos).

DOMINGO, A. Demografía zombi: Resilientes u redundantes em la utopía neoliberal del siglo XXI. Barcelona: Icaria editorial, 2018.

DUCROT, O. O Dizer o Dito. São Paulo: Pontes, 1987.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Tradução Salma Tannus Muchail. 8° ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000. (Coleção tópicos).

GRAU, E. R. A ordem econômica na Constituição de 1988 (interpretação e crítica). 13. ed. São Paulo: Malheiros, 2008.

HAYEK, F. A. Os princípios de uma ordem social liberal. In: CRESPIGNY, Anthony de; CRONIN, Jeremy (orgs.). Tradução Sérgio Duarte. Ideologias políticas. 2. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1999, p. 47-63.

HAYEK, F. A. Tradução e revisão Anna Maria Capovilla, José Ítalo Stelle e Liane de Morais Ribeiro. O caminho da servidão. 5 ed. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 1990.

HOBSBAWN, E. J. A Era dos Extremos. trad. Marcos Santarrita e Maria Célia Paoli, 2ª. ed., 34 reim. Companhia das Letras, 1995.

MACHADO, Marina C. S. O processo de envelhecimento no Brasil: desafios e perspectivas. Textos Envelhecimento. 2005.

MACHADO, I. L. A ironia como estratégia comunicativa e argumentativa. Bakhtiniana, São Paulo, Número 9 (1): 108-128, Jan./Jul. 2014.

OMS. Envelhecimento ativo: uma política de saúde / World Health Organization; tradução Suzana Gontijo. – Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2005.

ORLANDI, E. P. As formas do Silêncio: no movimento dos sentidos. 4. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 1997/2002.

PÊCHEUX, M. Por uma Análise Automática do Discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Organizadores GADET, Françoise; HAK, Tony. 3 ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1997.

PÊCHEUX, M. O Discurso: Estrutura ou Acontecimento. Trad. Eni P. Orlandi – 5ª Edição, Campinas, SP. Pontes Editores, 2008.

PÊCHEUX, M. Semântica e Discurso. Uma Crítica à Afirmação do Óbvio (1975). Trad. Eni Pucinelli Orlandi. Campinas: Editora da UNICAMP, 1988.

PÊCHEUX, M. O papel da memória. In: ACHARD, Pierre et al. O papel da memória. Campinas: Pontes, p. 49-57, 1999.

PIRIS, E. L. Análise do Discurso e Argumentação: procedimentos teórico-metodológicos para exame do jornal impresso. Abordagens metodológicas em estudos discursivos. São Paulo: Paulistana, p. 91-105, 2010.

TELAROLLI JÚNIOR, R.; FARACHE FILHO, A. Transição demográfica: fundamentos e desafios para a saúde pública. In: Del- Masso, Maria Candida Soares; Azevedo, Tania Cristina Arantes Macedo. (Org.). UNATI Espaço aberto ao ensino e à criatividade. 1ed.São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012, v. 1, p. 11-24.

OLIVEIRA, R. C. S. O processo histórico do estatuto do idoso e a inserção pedagógica na universidade aberta. Revista HISTEDBR Online, Campinas, n. 28, p. 278-286, dez. 2007.

Downloads

Publicado

2021-07-08

Como Citar

Motta de Paula Galvão, F., Resende, G., & Motta de Paula Resende , F. . (2021). A representação do idoso em tempos de pandemia: Bolsonaro e o enfrentamento neoliberal da Covid-19 no Brasil. Gláuks - Revista De Letras E Artes, 21(01), 59-82. https://doi.org/10.47677/gluks.v21i01.229