Análise do discurso e formação de professores de português como língua de acolhimento

Autores

  • Edmundo Gasparini UFSJ
  • Hiago Higor de Lima

DOI:

https://doi.org/10.47677/gluks.v20i1.169

Palavras-chave:

Português Língua de Acolhimento, Formação de Professores, Análise do Discurso, Decolonialidade

Resumo

Neste ensaio, abordamos elementos da Análise do Discurso que podem contribuir para uma perspectiva crítica e decolonial na formação de professores de português como língua de acolhimento (PLAc). Procuramos dar destaque ao que há de discursivo no “acolhimento” aos deslocados forçados no âmbito do ensino e da aprendizagem de PLAc e, nessa direção, discutimos o discurso da falta (DINIZ; NEVES, 2018) e o discurso da obrigatoriedade da aprendizagem do português (LOPEZ, 2018). A retomada de elementos teóricos provenientes da Análise do Discurso possibilitou-nos identificar, em ambos os discursos, efeitos de sentido do discurso pedagógico (ORLANDI, 1996), no âmbito do qual se promove um “esmagamento do outro” em função de imagens socialmente cristalizadas do professor e do aluno. Vislumbramos a possibilidade de resistência e deslocamento em relação a ambos os discursos na medida em que, em oposição ao discurso pedagógico, se promova uma relação mais conflituosa entre professor de PLAc e aprendiz, a partir da qual se dá voz aos alunos e se garante a eles a possibilidade de discordância. Tal possibilidade de resistência e deslocamento, elaborada a partir dos pressupostos teóricos da Análise do Discurso, é um elemento que pode contribuir para a decolonialidade na formação de professores de PLAc.

Referências

ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado. Lisboa: Editorial Presença/Martins Fontes, 1998.

AMADO, R. S. O ensino de português como língua de acolhimento para refugiados. Revista da Sociedade Internacional de Português Língua Estrangeira. Brasília: 2013. Revista SIPLE – Sociedade Internacional de Português Língua Estrangeira, v.7. Fac 2. 2014, s.p. Disponível em:https://www.researchgate.net/publication/272394920_O_ensino_de_portugues_como_lingua_de_acolhimento_para_refugiados. Acesso em 27 abr. 2020.

ANUNCIAÇÃO, R.F.M. A língua que acolhe pode silenciar? Reflexões sobre o conceito de “Português como Língua de Acolhimento”. Revista X. Curitiba. v. 13. n.1.p.35-56, 2018. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/revistax/article/view/60341. Acesso em 29 abr. 2020.

AYDOS, M. R. Migração forçada: uma abordagem conceitual a partir da imigração de angolanos para os estados do Rio de Janeiro e São Paulo, Brasil (1970-2006). 2010. 180.Dissertação (Mestrado em Demografia). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Campinas: Unicamp.

BIZON, A. C. C. Vozes do Programa emergencial ‘Pró-Haiti’: Narrativas de racialização do ‘ser haitiano’. In: BIZON & DINIZ (orgs.). Dossiê Especial: Português como Língua Adicional em contextos de minorias: (co)construindo sentidos a partir das margens. v. 13. Fac.1. Revista X: Curitiba, 2018. p.57-86. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/revistax/article/download/61201/36648. Acesso em 29 abr.2020.

BIZON, A. C. C.; CAMARGO, H. R. E. “Acolhimento e ensino da língua portuguesa à população oriunda de migração de crise no município de São Paulo: Por uma política do atravessamento entre verticalidades e horizontalidades”. In: BAENINGER et al (orgs.). Migrações Sul-Sul. Campinas, SP: NEPO/UNICAMP, 2018.

CLOCHARD, O. Les réfugiés dans le monde entre protection et illégalité. In: EchoGéo (online), Fac. 2, 2007. Disponível em: https://doi.org/10.4000/echogeo.1696 . Acesso em 27 abr. 2020.

COURTINE, J. J. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos, SP: EDUFSCar, 2014.

DINIZ, L. R. A. Mercado de línguas: a instrumentalização brasileira do português como língua estrangeira. Campinas: Editora RG, 2010.

DINIZ, L. R. A.; NEVES, A. O. Políticas linguísticas de (in)visibilização de estudantes imigrantes e refugiados no ensino básico brasileiro. Revista X. Curitiba.v. 13. Fac.1. p. 87-110, 2018. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/revistax/article/download/61225/36629. Acesso em 15 abr. 2020.

GASPARINI, E. N. Língua Inglesa e Ideologia. Solta a voz. Goiânia, v. 20, n. 1, p. 1-12, 2009.

LEITE, P.M.C.C. Yes, Vamos Correr para “Dominar” a Língua: Como a língua Inglesa é Representada em Dois Textos da Revista Veja. 2013. 247. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Federal de São João del-Rei: São João del-Rei.

LIMA, H.H; VIANINI, C. Gêneros orais do contexto acadêmico no ensino de português como língua adicional: desenvolvimento de material didático. Revista Olhares e Trilhas [recurso eletrônico]. Uberlândia, v.21. Fac 03. p.407-427, 2019. Disponível em https://doi.org/10.14393/OT2019v21.n.3.45348. Acesso em 27 abr. 2020.

LOPEZ, A. P. de A. Subsídios para o planejamento de cursos de português como língua de acolhimento para imigrantes deslocados forçados no Brasil. 2016. 261fl. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

LOPEZ, A.P.A; DINIZ, L. R. A. Iniciativas Jurídicas e Acadêmicas para o Acolhimento no Brasil de Deslocados Forçados. Brasília, v.9. Fac 9. p. 16-28, 2018. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/330635043_Iniciativas_Juridicas_e_Academicas_Brasileiras_para_o_Acolhimento_de_Imigrantes_Deslocados_Forcados. Acesso em 27 abr. 2020.

LUCENA, M.I.P; TORRES, A.C.G. Ideologia monolíngue, mercantilização e instrumentalização da língua inglesa na alteração da LDB em 2017 e em anúncios publicitários de cursos livres. Revista Brasileira de Linguística Aplicada. Belo Horizonte. v.19. Fac.03. p.635-654, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1984-6398201914230. Acesso em 23 abr. 2020.

NEVES, A. O. Política Linguística de Acolhimento a Crianças imigrantes no Ensino Fundamental Brasileiro: um estudo de caso.2018. 185 fls. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

PARDO, Fernando da Silva. Decolonialidade e ensino de línguas: perspectivas e desafios para a construção do conhecimento corporificado. Revista Letras Raras. Campina Grande, v. 8, Fac. 3, p. Port. 200-221 / Eng. 198-218, 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.35572/rlr.v8i3.1422. Acesso em 27 abr. 2020.

PÊCHEUX, M. Análise Automática do Discurso. In: GADET, F. e T. HAK (Org.). Por uma análise automática do discurso – uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Tradução de Bethania S. Mariani et al. Campinas: UNICAMP, 1997.

SÃO BERNARDO, M. A. de. Português como língua de acolhimento: um estudo com imigrantes e refugiados no Brasil. 2016. 206 fls. Tese (Doutorado em Linguística). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

SOUSA SANTOS, B. Between Prospero and Caliban: colonialism, postcolonialism and inter-identity. Luso-Brazilian Review, Madison, v. 39, n. 2, p. 9-43, win. 2002.

ZAMBRANO, C. H. G. Português Como Língua de Acolhimento em Roraima: da Falta de Formação Específica à Necessidade Social. Revista X. Curitiba v.14. Fac.3. p.16-32, 2019. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/revistax/article/view/60942/39021. Acesso em 15 abr. 2020.

Downloads

Publicado

2020-11-26

Como Citar

Gasparini, E., & Higor de Lima, H. . (2020). Análise do discurso e formação de professores de português como língua de acolhimento. Gláuks - Revista De Letras E Artes, 20(1), 131-151. https://doi.org/10.47677/gluks.v20i1.169