Desafios para os professores de inglês de programas bilíngues nas escolas particulares de Fortaleza

Autores

  • Andrea Regina Silva Santa Ana
  • Pâmela Freitas Pereira Toassi Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.47677/gluks.v20i1.172

Palavras-chave:

programas bilíngues, formação de professores, bilinguismo

Resumo

Neste estudo discutimos os percalços que os professores de programas bilíngues nas escolas privadas de Fortaleza, Ceará encontram dentro dessa modalidade ainda tão recente e livre de abrangência legislativa no Brasil. Ancorados na literatura sobre bilinguismo, buscamos: a) traçar um perfil do cenário sociolinguístico brasileiro; b) analisar a formação dos professores de inglês que atuam em programas bilíngues; c) descrever a atuação desses profissionais dentro do contexto de programas bilíngues fortalezenses. A fim de esboçar um perfil desses docentes, aplicamos um questionário a 29 professores voluntários acerca de sua formação e do seu olhar sobre as próprias vivências e sobre a metodologia utilizada nas escolas. A análise das respostas obtidas mostrou que os educadores bilíngues estão sendo mais valorizados no âmbito escolar, contudo, ainda há carência em formação continuada para eles. O presente estudo contribui para a continuidade de investigação neste campo de estudo recém-chegado, porém, significativo.

Palavras-chave: programas bilíngues, formação de professores, bilinguismo.

Biografia do Autor

Andrea Regina Silva Santa Ana

Especialista em ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras (Universidade da Amazônia).

Referências

ALMEIDA FILHO, J. C. P. “O fazer atual da linguística aplicada no Brasil: Foco no ensino de línguas”. In: KLEIMAN, A.; COUTO CAVALCANTI, M. (eds.), Linguística Aplicada: suas faces e interfaces. Campinas: Mercado das Letras, 2007, p. 115-124.

BAKHTIN, M (VOLOCHÍNOV, V.N.). Marxismo e Filosofia da Linguagem: Problemas Fundamentais de Método Sociológico na Ciência da Linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 16ª ed., São Paulo: Hucitec, 2014, 203p.

BLOOMFIELD, L. Linguistic aspects of science. Philosophy of Science, v. 2, n.4, p. 499- 517,1935.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental – língua estrangeira. Brasília, MEC, SEF, 1998,174 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Governo Federal. Base Nacional Comum Curricular: BNCC-APRESENTAÇÃO,2018. Disponível em: <http:// http://basenacionalcomum.mec.gov.br/#/site/inicio> Acesso em: 01 ago. 2018.

CAVALCANTI, M. C. Estudos sobre educação bilíngue e escolarização em contextos de minorias linguísticas no Brasil. D.E.L.T.A, v.15, p.385-417, 1999.

GARCÍA, O. Bilingual education in the 21st century: A global perspective. Oxford, Wiley-Blackwell, 2009, 481p.

GARCIA O.; JOHNSON, S. I.; SELTZER K. S. The translanguaging classroom: leveraging student bilingualism for learning. Language and Education, v.31, n.6, p. 590-594, 2017.
GROSJEAN. F. Life with two languages: an introduction to bilingualism. Cambridge, Mass, Harvard University Press, 1982, 370p.

LEFFA, V. “Língua estrangeira hegemônica e solidariedade internacional”. In: KARWOSKI, A. M.; BONI, V. F. C. V. (eds.), Tendências contemporâneas no ensino de inglês. União da Vitória, Kaygangue, 2006, p. 10-25.

LEFFA, V. J. “Metodologia do ensino de línguas”. In: BOHN, H.; VANDRESEN, P. (eds.), Tópicos de lingüística aplicada ao ensino de línguas estrangeiras. 1ª ed. Florianópolis, UFSC, v. 1, 1988, p. 211-236.

LEFFA, V. J. “Criação de bodes, carnavalização e cumplicidade”. In: LIMA, D. C. de (ed.), Inglês em escolas públicas não funciona: uma questão de múltiplos olhares. SP, Parábola Editorial, 2011, p. 15-32.

LEFFA, Vilson J. Língua estrangeira. Ensino e aprendizagem. Pelotas, EDUCAT, 2016, 324p.
LEFFA, V. Ensino de línguas: passado, presente e futuro. LEFFA Rev. Est. Ling., Belo Horizonte, v.20, n.2, p. 389-411,2012.

LIMA, N. V.; CUNHA, D. M. Saberes docentes: as políticas de reconhecimento de saberes dos professores da educação profissional no Brasil. Educ. rev., Belo Horizonte, v.34, n.2, p. 139-116, 2018. https://doi.org/10.1590/0102-4698177334.

RAJAGOPALAN, K. “A geopolítica da língua inglesa e seus reflexos no Brasil: por uma política prudente e propositiva”. In: LACOSTE, Y.; RAJAGOPALAN, K. (eds.), A Geopolítica do Inglês. São Paulo, Parábola, 2005, p. 135-159.

MAHER, T. M. “Formação de Professores Indígenas: uma discussão introdutória”. In: GRUPIONI, L.D.B. (ed.). Formação de Professores Indígenas: repensando trajetórias. Brasília, MEC/SECAD, 2006, p. 11-38.

MARCELINO, M. Bilinguismo no Brasil: significado e expectativas. Revista Intercâmbio, v. 19, p. 1-22, 2009.

MEGALE, Antonieta. H. Bilinguismo e educação bilíngue – discutindo conceitos. Revista Virtual de Estudos da Linguagem. ReVEl, v.3, n. 5, p. 1-13, 2005.

MEGALE, A. H. A. Formação de Professores para a Educação Infantil Bilíngue. Pátio Educação Infantil, v.39, p. 12-15, 2014.

MEGALE, A.; LIBERALI, F. Caminhos da educação bilíngue no Brasil: perspectivas da linguística aplicada. Raído, Dourados, v.10, n.23, p. 9-24, 2017.

PAIVA. V.L. M. O. Manual de Pesquisa em Estudos Linguísticos. 1ª ed. São Paulo, Parábola, 2019, p. 7 -30.

ROJO. R Escola conectada: multiletramentos e as TICS. 1ª ed. São Paulo, Parábola, 2013, p. 13-36.

THIERY, C. “True bilingualism and second language learning”. In: Language interpretation and communication. New York, Plenum Press, 1978, p. 145-153.

VALDES, G.; FIGUEROA, A. Bilingualism and testing: A special case of bias. Norwood, NJ, Ablex, 1994, 255 p.

Downloads

Publicado

2020-11-26

Como Citar

Regina Silva Santa Ana, A., & Freitas Pereira Toassi, P. (2020). Desafios para os professores de inglês de programas bilíngues nas escolas particulares de Fortaleza. Gláuks - Revista De Letras E Artes, 20(1), 79-103. https://doi.org/10.47677/gluks.v20i1.172