Uma pesquisa narrativa pelas experiências de professoras de línguas buscando viver histórias multilingues e decolonizadoras

Autores

  • Valeska Souza Universidade Federal de Uberlândia
  • Cláudia Almeida Rodrigues Murta
  • Viviane Bengezen

DOI:

https://doi.org/10.47677/gluks.v20i1.179

Palavras-chave:

Decolonização do ensino de línguas; Prática docente; Pesquisa Narrativa.

Resumo

Orientadas autobiograficamente, neste artigo, as autoras têm como objetivo explorar práticas docentes, sob uma perspectiva decolonial, a partir de propostas de ensino e de extensão na área de Linguística Aplicada. Elas socializam sua compreensão de práticas docentes decoloniais que considerem a importância do ouvir as diferentes vozes e de não marginalizar lugares geográficos e de fala aos quais não são atribuídos status no contexto contemporâneo de globalização e de relações de poder top-down. As propostas apresentadas para a análise vêm de três experiências vividas pelas pesquisadoras, ao ilustrarem um fazer docente que rompe com a valorização de decisões autoritárias e normalizadas no espaço escolar e acadêmico. O lugar como foco de tensões e possibilidades e os medos, dúvidas e incertezas nas paisagens do conhecimento de professores são os fios que perpassam as experiências vividas e que são discutidos. As autoras observam que suas experiências se distanciam de uma abordagem de ensino de línguas sistêmico e estrutural e abrem caminhos para se pensar quais práticas são necessárias para a valorização do local e quais parâmetros devem ser considerados na operacionalização de um currículo que honre o fazer docente decolonial, alinhado a uma formação antirracista e anti-opressiva de professores de línguas.

Referências

BALLESTRIN, L. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, v.2, n.11, p.89-117, 2013.

CAINE, V.; ESTEFAN, A.; CLANDININ, D. J. A return to methodological commitment reflection on narrative inquiry. Journal of Educational Research, v. 57, n. 6, p. 574-586, 2013.

CLANDININ, D. J. 2013. Engaging in narrative inquiry. New York: Routledge, 2013. 232 p.

CLANDININ, J. D. et al. The Relational Ethics of Narrative Inquiry. Routledge, 2018.

CLANDININ, D. J.; CONNELLY, M. Narrative Inquiry: Experience and Story in Qualitative Research. San Francisco: Jossey Bass, 2000. 211 p.

CLANDININ, D. J.; CONNELY, M. Pesquisa Narrativa: experiência e história em pesquisa

qualitativa. 2 ed. rev. Tradução: GPNEP: Grupo de pesquisa narrativa e educação de

professores. ILEEL/UFU. Uberlândia: EDUFU, 2015.

CONNELLY, F. M.; CLANDININ, D. J. Shaping a professional identity: Stories of

educational practice. New York, NY: Teachers College Press, 1999.

CONNELLY, F. M.; CLANDININ, D. Jean. Narrative Inquiry. In: GREEN, J.; CAMILLI, G.; ELMORE, P. (Eds). Handbook of Complementary Methods in Education Research. 2006. p. 375-385.

CLANDININ, D. J.; ROSIEK, J. Mapping a Landscape of Narrative Inquiry Borderland Spaces and Tensions. In: CLANDININ, D. J. Journeys in Narrative Inquiry: The Selected Works of D. Jean Clandinin. New York: Routledge, 2020, 334 p.

DEWEY, J. Democracia e educação: introdução à filosofia da educação. Tradução de Godofredo Rangel e Anísio Teixeira. 4 ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1979.

DEWEY, J. The later works, 1925-1953: Vol. 10. Art as experience (J. A. Boydston, Ed.). Carbondale, IL: Southern Illinois University Press, 1981.

ESCOBAR, A. Mundos y conhecimientos de outro mundo – O programa de investigación de modernidade/colonialidad latinoamericano. Revista Tabula Rasa, n.4, p. 50-161, 2003.

EVARISTO, C. Olhos d'água. Pallas Editora, 2016.

FREEMAN, M. Autobiographical understanding and narrative inquiry. In: CLANDININ, J. D. (Ed.). Handbook of narrative inquiry: mapping a methodology. Thousand Oaks; London; New Delhi: Sage/University of Alberta, 2007. p. 120-145.

GONZALEZ, L. Racismo e sexismo na cultura Brasileña. In: SILVA, L. A. Movimentos sociais urbanos, minorías étnicas e outros estudos. ANPOCS. Brasilia, 1983.

GROSFOGUEL, R. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, p. 115-147, 2008.

KRENAK, A. Ideias para adiar o fim do mundo. Editora Companhia das Letras, 2019.

MALDONADO-TORRES, N. La descolonización y el giro des-colonial. Revista Tábula Rasa, v.2, n.9, p. 61-72, 2008.

MIGNOLO, W. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF, Dossiê: literatura, língua e identidade, n.34, p.287-324, 2008.

MUNDURUKU, D. Meu vô Apolinário: um mergulho no rio da (minha) memória. Studio Nobel, 2001.

POTIGUARA, E. Metade cara, metade máscara. São Paulo: Global, 2019.

WERÁ, K. (Org.). Biraci Yawanawá. Rio de Janeiro: Beco do Azougue Editorial Ltda., 2018.

WERÁ, K. (Org.). Sônia Guajajara. Rio de Janeiro: Beco do Azougue Editorial Ltda., 2019.

Downloads

Publicado

2020-11-26

Como Citar

Souza, V., Almeida Rodrigues Murta, C., & Bengezen, V. (2020). Uma pesquisa narrativa pelas experiências de professoras de línguas buscando viver histórias multilingues e decolonizadoras. Gláuks - Revista De Letras E Artes, 20(1), 28-48. https://doi.org/10.47677/gluks.v20i1.179