Mito e religiosidade na representação sério-cômica da Covid-19: a polêmica da (hidroxi)cloroquina em charges

Autores

  • Profa. Dra. Aline Saddi Chaves Uems/docente e pesquisadora
  • Profa. Dra. Glaucia Muniz Proença Lara UFMG

DOI:

https://doi.org/10.47677/gluks.v21i01.246

Palavras-chave:

Covid-19, cloroquina, mito, religiosidade.

Resumo

O presente artigo analisa e compara charges, produzidas no Brasil e na França, que giram em torno da polêmica sobre o uso da (hidroxi)cloroquina no tratamento da Covid-19. Tais charges representam, semiótica e dialogicamente, o discurso de defesa do medicamento pelo viés do mito e da religiosidade, como estratégias de desqualificação de duas figuras públicas: o Presidente Jair Bolsonaro e o médico e pesquisador Didier Raoult. Este estudo se inscreve, pois, no quadro de uma análise do discurso que se interessa pela representação discursiva de saberes elaborados na esfera científica e “relidos” em discursos de vulgarização científica, por meio dos quais os fatos sociais adquirem ampla repercussão junto ao público de não especialistas. Desse modo, a Covid-19, em sua representação figurativa e temática, passa a configurar-se também como uma pandemia política e midiática.

Biografia do Autor

Profa. Dra. Aline Saddi Chaves, Uems/docente e pesquisadora

Doutora em Letras (Estudos Linguísticos, Literários e Tradutológicos do Francês) pela FFLCH-USP,é Professora da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS – Campo Grande) atuando na Graduação e nos Programas de Pós-Graduação em Letras, nível acadêmico (PPGL) e profissional (PROFLETRAS). Líder do Núcleo de Estudos Bakhtinianos da UEMS (NEBA/ CNPq/UEMS).

Profa. Dra. Glaucia Muniz Proença Lara, UFMG

Doutora em Semiótica e Linguística Geral pela FFLCH-USP, é Professora da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais (FALE/ UFMG) atuando na Graduação e no Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos (POSLIN). 

Referências

AMOSSY, R. Apologie de la polémique. Paris: Presses Universitaires de France, 2014.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, M. M. Problemas da poética de Dostoiévski. Trad. Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005 [1929].

BERNARDI, R. M. “Rabelais e a sensação carnavalesca do mundo”. In: BRAIT, B. (org.). Bakhtin: dialogismo e polifonia. São Paulo: Contexto, 2009. p.73-94.

DASSILVA, Z. Um santo remédio? 20 jul. 2020. Disponível em: https://www.instagram.com/p/CC4ATevpn--/. Acesso em: 20 ago. 2020.

DIDEROT, D. Œuvres complètes. Tome II. Paris: A. Belin, 1818.

DISCINI, N. “Carnavalização”. In: BRAIT, B. (org.). Bakhtin: outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2006. p. 53-93.

DOMTOTAL. Bolsonaro exibe cloroquina como objeto sagrado durante protesto em Brasília. Política, Belo Horizonte, 20 out. 2020. Disponível em: https://domtotal.com/noticia/1460556/2020/07/bolsonaro-exibe-cloroquina-como-objeto-sagrado-durante-protesto-em-brasilia/. Acesso em: 25 out. 2020.

FÁVERO, L. L. “Paródia e dialogismo”. In: BARROS, D. L. P de; FIORIN, J. L. (orgs.). Dialogismo, polifonia, intertextualidade. São Paulo: EDUSP, 2003. p.49-61.

GREIMAS, A. J.; COURTÉS, J. Dicionário de semiótica. Trad. Alceu Dias Lima et al. São Paulo: Contexto, 2008.

GRUPO de Estudos dos Gêneros do Discurso – GEGe. Palavras e contrapalavras: glossariando conceitos, categorias e noções de Bakhtin. São Carlos: Pedro & João Editores, 2009

LONGHI, J. Le vrai problème Raoult: quand les médias transforment la science en spectacle. In: Huffingtonpost. France, 11 jun. 2020. Disponível em: https://www.huffingtonpost.fr/entry/le-vrai-probleme-raoult-quand-les-medias-transforment-la-science-en-spectacle_fr_5ee10289c5b67d955213febd. Acesso em: 08 nov. 2020.

MAINGUENEAU, D. “Escola francesa de análise do discurso”. In: CHARAUDEAU, P.; MAINGUENEAU, D. (eds.) Dicionário de análise do discurso. Trad. Fabiana Komesu et al. São Paulo: Contexto, 2004.

MAINGUENEAU, D. Gênese dos discursos. Trad. Sírio Possenti. Curitiba: Criar, 2005.

PLACIDE. Coronavirus: Docteur Miracle ? 23 mar. 2020. Disponível em: http://www.leplacide.com/archive-Didier-Raoult--le-professeur-qui-pense-avoir-trouvé-un-remède-contre-le-coronavirus-!-9822-5-.html. Acesso em: 10 set. 2020.

QUINHO. Errei Leão. 20 jul. 2020. Disponível em: https://www.facebook.com/QuinhoCartum/photos/2819333471499581. Acesso em: 15 out. 2020.

SANT’ANNA, A. R. Paródia, paráfrase & cia. São Paulo: Ática, 1988.

SILVA, A. [sem título]. 16 abr. 2020. Disponível em: https://pt-br.facebook.com/adnael. Acesso em: 10 set. 2020.

YSOPE. Le Seigneur de la chloroquine. 28 mar. 2020. Disponível em: https://www.facebook.com/Ysope/photos/2804762982934240. Acesso em: 10 set. 2020.

Downloads

Publicado

2021-07-08

Como Citar

Saddi Chaves, A., & Muniz Proença Lara, G. (2021). Mito e religiosidade na representação sério-cômica da Covid-19: a polêmica da (hidroxi)cloroquina em charges. Gláuks - Revista De Letras E Artes, 21(01), 253-279. https://doi.org/10.47677/gluks.v21i01.246