A imigração na sala de aula: uma análise sobre a convivência entre diferentes

Autores

  • Joziane Assis UFV
  • Thaiana Dias Rede estadual de educação de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.47677/gluks.v20i1.186

Palavras-chave:

interculturalidade, imigração, formação de professores, espanhol língua estrangeira

Resumo

O presente artigo é parte de uma pesquisa de Iniciação Científica financiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ) através do Programa PIBIC/UFV[1], e buscou analisar, a partir da perspectiva intercultural, como se deram a convivência e as trocas linguísticas e culturais entre um aluno venezuelano e seus colegas e professores em uma escola da cidade de Viçosa/Minas Gerais. Para isso, fez-se uma extensa pesquisa bibliográfica baseando-se em autores como Assis (2018), Freire (2011), Paraquett (2010) e Goenechea (2008), observou-se a realidade escolar com anotações em cadernos de campo e aplicou-se questionários tanto ao aluno venezuelano quanto aos seus colegas e professores brasileiros, tratando-se, portanto, de uma pesquisa qualitativa, descritiva e interpretativista. A partir das análises dos dados, identificou-se uma constante exclusão do aluno estrangeiro, visto que os brasileiros pouco se comunicavam com ele, bem como a dificuldade das professoras participantes em atuar nas distintas situações que esse contexto apresenta. No presente artigo, apresentaremos os resultados da pesquisa na categoria de análise “convivência”, refletindo sobre a imigração, a presença de alunos estrangeiros em sala de aula e a formação de professores.

 

[1] Agradecemos ao CNPQ pelo financiamento da pesquisa.

Biografia do Autor

Thaiana Dias, Rede estadual de educação de Minas Gerais

Thaiana Oliveira Dias é graduada em Letras Português-Espanhol pela UFV. Atualmente é professora de português na rede estadual de ensino na cidade de Viçosa/MG, além de tradutora de espanhol e revisora de português. Tem experiência em ensino de espanhol em curso de línguas como atividade de extensão e no PIBID de português, ambos durante a graduação.

Referências

ASSIS, Joziane Ferraz de. “Eu, caçadora de mim”. O percurso de formação de uma professora de espanhol. 2018. 212 f. Tese (Doutorado em Letras) - Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia, 2018.

BRANDALISE, Vitor Hugo. Autista não: imigrante. Estadão. São Paulo, 19 mar. 2017. Disponível em: <https://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,autista-nao-imigrante,70001705273>. Acesso em: 11 de outubro de 2018.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. 43. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011. 142 p.

GOENECHEA, Cristina Permisán. Análisis de la presencia de la cultura de origen de los menores inmigrantes en el sistema educativo andaluz. Congreso Internacional Infancia en Contextos de Riesgo. Huelva/Espanha, p. 1066-1075, 2014.

GOENECHEA, Cristina Permisán. ¿Es la formación del profesorado la clave de la educación intercultural? Revista Española de Pedagogia. Madrid: Universidad Internacional de La Rioja, v. LXVI, n. 239, p. 119–136, janeiro/abril, 2008.

PARAQUETT, Marcia. Multiculturalismo, interculturalismo e ensino/aprendizagem de espanhol para brasileiros. In: BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Espanhol. Ensino médio. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Básica, 2010. 292p. p. 137-156. (Coleção Explorando o Ensino).

Downloads

Publicado

2020-11-26

Como Citar

Assis, J., & Oliveira Dias, T. (2020). A imigração na sala de aula: uma análise sobre a convivência entre diferentes. Gláuks - Revista De Letras E Artes, 20(1), 152-171. https://doi.org/10.47677/gluks.v20i1.186